Arquivo da tag: Erik Gandini

Para assistir na Mostra

Hoje, dia 23 de Outubro, está começando a 33ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e todos os cinéfilos já devem ter feito sua lista do que assistir. A minha também já está pronta.

Fiz uma lista com 13 filmes, que me interessaram ao ler a sinopse e alguns que eu já estava esperando para assistir.

Vamos a lista:

500 Dias com Ela.

O filme conta a história de um casal em que ele se apaixona perdidamente, mas ela não acredita mais em amor. O filme é cheio de referências pop, e está sendo bastante elogiado por quem o assiste. No elenco estão Zooey Deschanel e Joseph-Gordon Levitt.

A Batalha dos 3 Reinos

O Novo filme do cineasta John Woo, que já dirigiu Missão Impossível 2 e A Outra Face, mostra a, pasmem, batalha de 3 reinos por território na China feudal do século III.

Abraços Partidos

Almodóvar é Almodóvar, logo tinha que estar na lista este filme que tem como trama a vida de um roteirista que perde a visão durante um acidente e passa a viver por trás de um pseudônimo com o qual ele assina suas obras.

Aconteceu em Woodstock

Baseado no livro Taking Woodstock: A True Story of a Riot, o filme conta a estória real de Elliot Tiber, que decidiu trazer o festival hippie à cidade de White Lake quando uma cidade vizinha retirou a licensa de realização do evento.

Borderline

Confesso que esse filme eu não ouvi nada sobre ele, mas achei interessante a história da mulher promíscua que aos 30 anos ela resolve repensar sua vida e aprender a se amar.

Caro Francis

Como poderia perder um filme que fala sobre Paulo Francis, um jornalista que eu assistia no Jornal Nacional na minha infância, Paulo faleceu no ano de 1997, e que teve um grande papel no jornalismo Brasileiro.

I Love You Phillip Morris

O mais novo filme de Jim Carrey, com Ewan McGregor e Rodrigo Santoro no elenco, mostra a história de um policial homossexual que quando preso se apaixona por um colega de cela e arma golpes e fraudes para conseguir se aproximar dele fora da prisão.

Jogo Duplo

Imaginem Alfred Hitchcock como um professor de história, que durante a guerra fria fala coisas que não deve na TV, o que leva o governo à loucura.

Jogo Duplo é um filme que mostra o surgimento do cinema dos dias de hoje e fala também sobre a cultura da catástrofe.

O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus

O último filme de Heath Ledger, que não terminou a produção devido a sua morte, dirigido por Terry Gilliam, aquele do Monty Python, que dirigiu 12 Macacos e As Aventuras do Barão de Munchausen.

Pocilga

Voltando ao passado temos Pocilga, filme do controverso e polêmico diretor Italiano Píer Paolo Pasolini, que neste filme de 1969, mostra a história de um jovem canibal que é condenado a ser comido por feras selvagens após comer seu pai. E a história de um outro jovem que dorme com os porcos, porque não gosta de se relacionar com humanos.

Sede de Sangue

Depois da genial Trilogia da vingança, Oldboy, Lady Vingança e Mr. Vingança, Park Chan Wook vem com um filme de homem que ao ser transformado em vampiro fica entre a fé, que o proíbe de matar e sua própria sobrevivência, uma vez que ele precisa de sangue humano para continuar “vivo”.

Vício Frenético

Nicolas Cage é um detetive desonesto e viciado, que piora seu vício nas drogas após o furacão Katrina, e que complica ainda mais sua vida com seu relacionamento com uma prostituta.

Videocracy

Erik Gandini é um diretor italiano, responsável pelo documentário Surplus, que mostra a sociedade de consumo nos dias de hoje. E em Videocracy ele revela os bastidores da TV italiana, que em partes é comandada por Silvio Berlusconi, atual presidente da Itália, que vive envolvido em polêmicas e escândalos.

Para quem quiser ver a programação completa da mostra recomendo os dois sites a seguir:

Site da Mostra

Guia da Mostra

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Mostra Internacional de Cinema da São Paulo, Premiações, Sinopse

Resenha do documentário “SURPLUS”

Documentário mostra o lado obscuro dos regimes capitalista e socialista.

 

Surplus, uma produção de 2003 do diretor Erik Gandini, mostra uma realidade cada vez mais aterrorizante que está totalmente banalizada nos dias de hoje. A de que o homem transformou-se em uma máquina de consumo e ganância que está destruindo o mundo e o tornando cada vez mais afásico e amoral.

Erik Gandini nos apresenta um filme bastante intrigante no qual ele usa de uma estética diferente e moderna, com imagens e sons que praticamente transformam o filme em um vídeo-clipe, tornando-o visualmente interessante o que prende a atenção das pessoas, principalmente o público jovem, para que a mensagem seja apresentada de uma forma objetiva e clara desta situação da sociedade contemporânea.

Com uma visão bem forte da realidade atual, o filme mostra como o meio ambiente vem sendo destruído para que as indústrias continuem a produzir cada vez mais e assim maximizem seus lucros. Além desta questão ambiental Erik Gandini mostra também como a publicidade hoje está sendo distorcida pela indústria cultural para impor suas vontades às pessoas que perante esta situação acabam sendo influenciadas a comprar coisas totalmente supérfluas.

Outra parte marcante do filme é a entrevista com o filósofo e anarco-primitivista americano John Zerzan, um defensor da idéia de que os problemas da humanidade só serão sanados com a desindustrialização da sociedade e com o abandono da tecnologia. E durante todo o filme trechos da entrevista de Zerzan são mostrados, fazendo um comparativo entre o que ele pensa e o que de fato anda acontecendo no mundo.

Uma questão muito marcante nesta sociedade de consumo é o dinheiro, que no filme é abordado mostrando a vida de algumas pessoas de várias partes do mundo, como um garoto europeu que ficou milionário, mas que prefere ter sua vida simples e sem muito dinheiro de volta, ou a garota Cubana que em uma viagem descobriu e ficou deslumbrada com o mundo consumista que existe fora de Cuba; Ou também os trabalhadores Indianos que ganham a vida desmontando navios. Tudo isto para exemplificar esta particularidade do capitalismo que deixa poucas pessoas com muito e muitas pessoas com pouco.

Surplus apesar de ser bastante pessimista, pode ser encarado como um alerta para todas as pessoas do mundo de que chegou a hora de alguns valores da sociedade serem repensados e algumas atitudes em relação ao meio ambiente serem tomadas com certa urgência.

 

6 Comentários

Arquivado em Documentário, DVD, Recomendação